Arquivo do mês: agosto 2011

Desejo

 

 

 

 

 

 

 

 

Amor cigano, ardente e profano
existindo nas sombras de escassos lugares
fragmentado e perdido por todos os ares
lançados na treva os corações da bruma
resistindo no vento, em suma.

 

E na manhã seguinte, o lado escarlate
a sensação repentina de trocar vestes ser
mudado.
E tudo estancou.
Não mais pude divisar teu corpo
que de mim escapou, esboçando voo para outros lugares.

 

Transformado o sonho em fracasso,
joguei no abismo a fantasia.
Ceguei meus olhos soltos no espaço
buscando tua imagem que eu não via.

 

Amor cigano ardente e pagão,
a mim não cabia
porque cigano era o amor
e eu não sabia.

 

 

Cynthia Kremer

1 comentário

Arquivado em amor eterno, cigano, cynthia kremer, verso